ArtigoCuriosidadeMercado de trabalhoMundoNegócioNewsTecnologia

Dark Data? Se você trabalha com dados, você precisar saber o que é!

Você já ouviu falar em “Dark Data”? À primeira vista parece algo ameaçador, sinistro e perigoso. Pode até parecer algo ilegal. Mas calma, não vamos confundir os termos. Dark Data não tem nada a ver com Dark Web, ok?

Dark Data é um termo que está associado ao Big Data. Para deixar claro, Big Data é a área do conhecimento que estuda como tratar, analisar e obter informações a partir de conjuntos de dados grandes demais para serem analisados por sistemas tradicionais. Já os Dark Data são dados que são adquiridos por meio de várias operações, mas que não são usados ​​para obter insights ou para tomada de decisão. Isso porque a capacidade de uma organização de coletar dados pode exceder a sua capacidade de analisá-los.

Os Dark Data são cada vez mais importantes no mundo da tecnologia, principalmente porque todas as informações que as empresas coletam em seus processos comerciais regulares e que não usam e não têm planos de usar, nunca serão descartadas. São registros da web, dados de rastreamento de visitantes, filmagens de vigilância, e-mails de funcionários, fornecedores, clientes e todo tipo de dados que possamos imaginar. Esses dados não utilizados ocupam espaços físicos em discos pelo mundo a fora.

De acordo com Rahul Telang, professor de sistemas de informação no Heinz College da Universidade Carnegie Mellon/EUA, cerca de 90% dos dados das empresas no mundo são Dark Data.

O “problema” dos Dark Data não é simples de ser resolvido. Não basta apagar estes dados. O grande desafio é gerenciar estes dados de maneira eficiente, pois existem riscos e responsabilidades na governança das informações quando falamos de dados não usados, ou seja, há questões relacionadas à conformidade regulatória, litígios, manutenção de registros, privacidade e gerenciamento de registros.

“A automação cognitiva pode ser a resposta”, salientou Prince Kohli, CTO da Automation Anywhere. “Ao adicionar estrutura ao conteúdo não estruturado, o RPA (Robotic Process Automation) cognitivo ajuda a automatizar o processamento de pedidos de fatura, pedidos de compra e financiamentos – todos os quais se baseiam nos dark data armazenados em documentos, imagens, e-mails e muito mais. Na Automation Anywhere, acreditamos que dentro de cinco anos, os profissionais do conhecimento estarão livres da tarefa de extrair informações de conteúdo não estruturado. Eles terão o poder de fazer o que fazem melhor: tomar decisões, lidar com exceções e interagir com clientes, parceiros e entre si para promover os objetivos de negócios. ”

A organização dos dados, e não o seu simples descarte, é a chave para lidar com esse gigantesco volume de dados não úteis. Inclusive, organizando-os, as empresas podem aproveitá-los de uma maneira que, até então, era desconhecida.

Fonte: Forbes

Tags

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button
Close